Raquel Coutinho

Raquel Coutinho não é bem o que se pode chamar de uma cantora tradicional, mas sim uma artista criadora de sons, grooves e letras, uma compositora de paisagens sonoras. Ela utiliza a voz como percussão e harmonia, brincando com pedais de distorção, tocando tambor de folia e cantando suas letras. Propõe um som único, muito rico em referências de batuques brasileiros, misturados à diversas texturas sonoras orgânicas e digitais.

Seu primeiro álbum,” olho d´água”, produzido por Jongui , teve sua estréia no Montreux Jazz Festival (2010) e foi muito elogiado pela crítica, que apontou Raquel uma criadora original. Divulgando este trabalho , participou de projetos importantes como ” Os Novos Cariocas”- Sérgio Porto RJ (2011) , Festival De Arte Serrinha -Bragança Paulista –SP (2011); Montreux Meets Brienz (2010)–Suíça, Joe’s PUB- Nova York( 2009), Empty Bottle- Chicago-(2009), Festival de Folclore-Buenos Aires-(2011),  Oi Noites Cariocas (2009), Cedo e Sentado-Studio SP (2009), Sesc Vila Mariana (2010) ,Solar de Botafogo (2011), Oi Futuro BH-(2010), CCC -Centro Cultural Carioca-(2010), Oi Novo Som-(2010), Gravação ao vivo- Trama Virtual-(2010).

Foi contemplada recentemente pela  Secretario de Cultura do Rio de Janeiro, com o prêmio para a gravação do vídeo clipe – O VEJO .(edital SEC RIO 2010- Promoção de novos artistas.)  lançado em julho deste ano.

Raquel também atua na área do teatro e interpretação. Formada em Fonoaudiologia pela IMIH, ministra oficinas de expressão vocal, canto, rítmica corporal e musicalização. Já trabalhou com importantes diretores do teatro brasileiro como:José Celso Martinez Corrêa ( BIENAL SP 2010 -direção musical – “Bailado do Deus Morto”( Flavio de Carvalho)); e Ana Kfouri-2010 em ” Senhora dos Afogados” ( Nelson Rodrigues ) direção musical, trilha e performance ao vivo. Foi professora de Voz no “Curso Profissionalizante” da Cia de Teatro Contemporâneo- RJ 2009 -2010.

___________________________________________________________________________

Directly from one of the hypest scenes in Brazil, Raquel Coutinho from Minas Gerais, releases her first cd “Olho D’Água”, described as breath taken, speaking directly to your body, makes you want to dance as well as listen to the lyrics, melody and the percussive groves from the band – A sweet combination of organic and technology, aggressive and soft, “Brasility” and sounds of the world.

Raquel Coutinho released in 2010 her first album Olho D’Água , and has performed at Montreux Jazz Festival this year, and presented a different kind of Brazilian music. According to Lennart Kjörling, critic at the music magazine “LIRA MUSIKMAGAZIN” – “Raquel Coutinho fits extremely well at the new generation of Brazilian artists. Using percussion as a first impression and lots new sounds the music becomes and interesting fusion of conventional percussion and digital technology…music to open your ears.”The  cd, was produced by Jongui (producer and drummer),  who have produced some of greatest artists in Brazil such as Lobão, Lucas Santana  and Zeca Baleiro. The journey took them into a research of drums and rhythms from the Brazillian state Minas Gerais. The cd was recorded in a farmhouse, in the region of Serra do Cipó .Raquel Coutinho is influenced by percussive grooves and rhythms such as Congado and Candomblé. The result is the purest world music sound, down to its core, with lots of voice textures, deep drum grooves, rock guitars, a pinch of digital avant-garde sound, and an unquestionable traditional and unique cultural identity.